29 de maio de 2021

O gato que matou o padre

Por José Carlos Sá

Gato dando o bote (Foto Simples-Ine.Blogspot.com)

Esta estória ouvi quando criança, em Teófilo Otoni, e é responsável pelo medo que tenho de gatos até hoje. Não sei se é fato real ou lenda, o importante é que o episódio é recontado no sertão mineiro, com poucas variáveis. O escritor Rubem Fonseca citou a mesma história no livro “Do Universo à Jabuticaba“.

O padre de uma cidade do interior de Minas Gerais comprava linguiça no mercado e colocava para defumar sobre o fogão a lenha. Um gato aparecia por lá e antes que a linguiça estivasse no “ponto”, o bichano a roubava e ia comer no telhado da casa paroquial.

Cansado daquilo, o padre armou uma armadilha para o gato e o atraiu para um quarto que já estava com a janela fechada. Depois que o gato entrou o padre o acompanhou levando um porrete, o cercando em um canto.

Se vendo acuado, o gato, para se defender, saltou cravando as unhas na carótida do padre. Ao ouvir o grito, a empregada da casa paroquial abriu a porta e nem viu o que passou por ela. Encontrou o padre ensanguentado, de tal gravidade que morreria poucos minutos depois.

Esta é a lenda do gato que matou o padre.

Tags

Gatos lendas urbanas Minas Gerais Teófilo Otoni 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*