04 de abril de 2021

Na voz de Nelson

Por José Carlos Sá

Nelson Gonçalves (Foto divulgação)

O título do post é uma referência a uma piada contada pelo amigo Josias Rodrigues, de Guajará-Mirim, que não dá para repetir aqui.

Meu pai, seu Zé Carlos, quando ia tomar banho cantava no chuveiro “na voz de Nelson” todo o repertório do artista. Em Teófilo Otoni ouvíamos, principalmente duas rádios: a Nacional e a Globo, onde tocavam muito Nelson Gonçalves. Cresci com esta referência. Ouvindo Nelson Gonçalves na rádio e o “na voz de Nelson”, com meu pai sob o chuveiro.

Pensei em tudo isso ontem, 3/4, quando soube da morte do Agnaldo Timóteo. Mineiro de Caratinga, que tinha um vozeirão à Nelson, mas com o repertório diferente. Eu não era fã dele, mas foi um intérprete que marcou minha geração. Na escola, cantávamos “Mamãe”, gravada por vários artistas, e que ficou marcada pela interpretação do Agnaldo Timóteo.

O Brasil fica, a cada dia, mais pobre.