06 de dezembro de 2020

Perdido na Bahia

Por José Carlos Sá

Em verde, o trajeto certo; nas outras cores a bobeira que dei (Google Maps)

Finzinho da década de 1970 resolvi fazer uma viagem para o extremo sul da Bahia. O destino era o distrito de Ponta de Areia, no município de Caravelas, que eu conheci quando criança, na minha primeira viagem de trem. Lembro-me de termos chegado lá à noite, a energia elétrica já havia sido desligada e saímos às cegas até achar uma casa que nos acolhesse para esperar o amanhecer.

Voltando à outra viagem. Saí de Belo Horizonte para Teófilo Otoni, chegando lá, fui ao guichê e perguntei a que horas saía o próximo ônibus para a Bahia. Não especifiquei o destino e o bilheteiro disse que estava saindo um ônibus para Vitória da Conquista. Comprei a passagem e embarquei. Lá pelas tantas, resolvi perguntar ao motorista quanto tempo faltava para passar por Caravelas.

– Esse ônibus não passa lá, está indo para o norte!

Desci em Vitória da Conquista, peguei outro ônibus para Itabuna e de lá para Eunápolis, para então pegar o ônibus com destino ao meu destino.

Vale contar que esse último ônibus tinha saído de Salvador 24 horas antes. Estava fedido de mijo e com o corredor sujo de farofa de farinha e de biscoito. Na parada de almoço, me distraí conversando com um colega de viagem e o ônibus foi embora. Tivemos que correr atrás dele…

Enfim cheguei a Ponta de Areia e valeu a aventura.

Tags

Bahia Caravelas Eunápolis Itabuna Ponta de Areia Teófilo Otoni Vitória da Conquista 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*