10 de fevereiro de 2024

A toalha verde sumiu e uma cobra verde apareceu

Por José Carlos Sá

Estávamos especulando sobre “o sumiço da toalha verde que estava dobradinha sobre o encosto da cadeira na mesa lá de fora”. O que teria acontecido? 

Usando os métodos aprendidos na literatura e nas séries de TV, “interrogávamos” a única testemunha que podia falar, pois o outro espectador, o cão Bart,  ainda não se expressa por palavras inteligíveis.

A tia Fátima ouviu o Bart latindo “com ênfase” (essa palavra é por minha conta) durante a madrugada e se levantou para olhar, mas nada viu de anormal. Só quando todos  levantaram é que se deram conta da possível tentativa de furto. Um pente fino foi passado por toda a propriedade e apenas foi sentida a falta da toalha verde que estava dobradinha sobre o encosto da cadeira. 

O que se sabia era: a toalha verde foi deixada dobradinha sobre o encosto da mesa que fica lá fora, na área do forno e da churrasqueira. A falta dela foi sentida após uma série de evidências que apontavam que a casa recebeu uma visita indesejada de algum amigo do alheio. O portão foi encontrado aberto assim como a porta da oficina pelo casal dos primos que saíram cedo para um passeio. 

Uma teoria apresentada pela tia Fátima foi aceita unanimemente para explicar o sumiço da toalha verde que estava, você já sabe onde: o larápio a pegou para acomodar os objetos que interessasse furtar, mas esse intento foi estorvado pelo alarme dado pelo Bart, que cumpriu sua obrigação de guardião das vidas e do patrimônio.

Ainda digeríamos a invasão de domicílio, quando a tia Josy – dona da casa – deu um grito lá nos fundos. Pensei com o cordão da minha bermuda: o ladrão ainda estava homiziado em algum cantinho do quintal, e a Josy deu de cara com ele.

Corremos até ela, que estava parada, apontando a lanterna do celular para a pilha de lenha armazenada sob o forno. “Tem uma cobra ali. É uma cobra verde, sei lá, marrom? Deste tamanho assim”.

Fiquei a uma distância segura enquanto as mulheres confabulavam sobre a possível espécie da cobra, a partir da descrição dada. O Márcio, marido da Josy, foi avisado e em seguida os Bombeiros foram acionados.

A captura do ofídio foi tranquila. O indivíduo foi identificado como uma caninana (Spilotes pullatus), de cores preta e amarela, que não é peçonhenta.

O susto fez com que esquecécemos o episódio do “sumiço da toalha verde que estava dobradinha sobre o encosto da cadeira na mesa lá de fora” e que ainda não reapareceu.

[̂ /]

Tags

Caninana Fátima Luz Josy Duarte Marcela Ximenes Márcio Passarella 

Compartilhar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*