24 de janeiro de 2024

Casamento ao contrário

Por José Carlos Sá

O casamento aconteceu, mas não como estava combinado (Foto internet)

A noiva entrou na igreja conduzida pelo próprio noivo, já que não tinha parentes próximos e não quis que nenhum dos colegas de trabalho a acompanhasse até o altar.

De pé, em frente ao pastor, ouviu toda cerimônia sem alterar um músculo do rosto. Impassível.

Quando perguntada se desejava receber a mão de Fulano de Tal como seu esposo, de livre e espontânea vontade, disse um “não” bem seguro, que foi acompanhado de um “oh!” numa reação coletiva da assistência.

Antes que o noivo e convidados se recuperassem da surpresa, ela e o pastor deixaram a igreja de braços dados e sumiram na rua.

Dizem que moram em Sinop (MT), têm sete filhos e vivem felizes. Do ex-noivo não há notícias.

 

[Conto VI/2024Conto originalmente publicado do caderno Lítero-Cultural do extinto jornal Alto Madeira – Porto Velho (RO), 28 de fevereiro de 1998]

Tags

Jornal Alto Madeira Lítero-Cultural Porto Velho Sinop 

Compartilhar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*