23 de dezembro de 2021

Arquipélago dos Milhafres?

Por José Carlos Sá

Açor (Accipiter gentilis), em foto de Mário Esteves/Portugal

Os portugueses iniciaram suas explorações marítimas no século XIII, tendo em 1427 encontraram um arquipélago a 780 milhas a oeste da Península Ibérica. Os marujos da nau comandada por Diogo de Silves deram ao conjunto de ilhas o nome de Açores.

A denominação do arquipélago, segundo uma das versões, é que os marujos confundiram as aves que viram aos milhares com o açor (Accipiter gentilis), que é uma ave de rapina, encontrada no hemisfério norte.

Bandeira do Governo Autônomo dos Açores (Reprodução)

Mas o que os portugueses avistaram eram “uma subespécie local da águia de asa redonda (Buteo buteo rothschildi), apelidadas hoje em dia pelos açorianos de ‘milhafres’ ou ‘queimados'”.

Quando descobriram o engano já era tarde. O arquipélago já estava batizado e o nome “pegou”, estando o açor colocado na bandeira da Região Autônoma dos Açores.

Monumento à Imigração Açoriana, no Centro Histórico de São José (Foto JCarlos)

O ‘Monumento aos Açorianos’, de autoria do artista plástico Plínio Verani, foi inaugurado em 2002 nas comemorações do aniversário de 250 anos de São José da Terra Firme. O monumento representa, de forma estilizada, a nau com os açorianos que para cá vieram desde 1747. A obra está no provável local onde desembarcaram.