03 de julho de 2021

Paradoxo do contraditório*

Por José Carlos Sá

Tem coisa que você vê e/ou lê e não acredita, mas está lá impresso com tinta gráfica para a eternidade. E quando cai na internet, então…

Em casa de ferreiro (Reprodução ND online/edição 02072021)

Leio no ND que o candidato à reeleição para presidente do CRECI-SC (Conselho Regional de Corretores de Imóveis de Santa Catarina) é acusado junto ao Conselho Nacional da categoria de que ter a própria empresa sem registros no Conselho ao qual preside e esta irregularidade já perdura cinco anos e foi constatada por fiscais do CRECI.

Que moral tem uma pessoa nestas condições de exigir dos outros o cumprimento da Lei?

Reprodução de trecho de matéria da Folha, edição de  29062021

A outra notícia que me causou espécie (!!!!!), li na Folha S. Paulo, edição de 29062021. Como era uma matéria de polícia, só vi dias depois, na sessão das “mais lidas”. A manchete diz: “Após assassinato de sargento, PM promove carnificina em Tabatinga (AM)”. Em resumo, o texto de Fabiano Maisonnave (Folhapress) informa que o sargento PM Michael Flores Cruz fazia um “bico”, juntamente com um colega de farda, quando levou dois tiros, um na cabeça. O outro policial foi ferido no ombro e conseguiu matar o agressor.

A reportagem narra que, pelo WhatsApp, os policiais de folga foram convocados para uma reunião na sede do 8° Batalhão. Depois grupos vestido à paisana, alguns com capuzes, saíram para vingar a morte do sargento, resultando em, ao menos, “sete assassinatos”. O CV (Comando Vermelho) atua na região da tríplice fronteira – Brasil, Colômbia e Venezuela, mas não se sabe se os fatos têm relação com o crime organizado, que atua ali no tráfico de drogas.

Mas o que me deixou mais pasmo foi ler a seguinte frase: “[…] Participaram homens das cidades vizinhas de Benjamim Constant e Atalaia do Norte, além da Rocam (Rondas Ostensivas Candido Mariano), a unidade mais violenta da polícia amazonense. […]”.

Dar o nome de Cândido Mariano à tropa de choque, só pode ter sido por ironia (KdFrases/edição JCarlos)

Li novamente, pois acreditei ter imaginado. Como colocam o nome de um pacifista em uma unidade de choque, que é considerada a “mais violenta da polícia amazonense”? Está na hora de mudar o “patrono” dessa tropa.

(Link da matéria, mas acho que só vai abri para assinantes, mas dá para pesquisar em jornais do Amazonas: https://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2021/06/apos-assassinato-de-sargento-pm-promove-carnificina-em-tabatinga-am.shtml)

*O título é apenas para ilustrar o meu pasmo!