01 de abril de 2021

Cacófato

Por José Carlos Sá

Com o colega de turma Antônio Tinoco (Foto Ricardo, o 23)

Prestei o serviço militar voluntariamente. Tive a opção de dizer que não queria, mas servi, ficando mais de quatro anos na Força Aérea Brasileira. Assim que entrei na caserna, na Base Aérea de Belo Horizonte, em janeiro de 1976, me deram o “nome de guerra” de Sá e o número 24. Era uma homenagem a um soldado de outra turma, que tinha o mesmo sobrenome e o mesmo número.

Alguns anos depois fiz o curso de cabo e quando ia ser promovido pedi para trocar o nome de guerra, acrescentando o Junior. Eu imaginava o cacófato que daria: “Cabossá”, “Cabusá” e por aí. O pedido de troca do nome foi aceito, passei a se conhecido como cabo Sá Junior.

Mas tudo tem um preço. Há uma lenda no quartel de que a troca do nome de guerra dá azar. E deu. Nos dois anos e pouco em que fui cabo peguei as minhas primeiras detenções.

Tags

Antônio Tinoco Base Aérea de Belo Horizonte FAB 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*