14 de fevereiro de 2021

A escada rolante e a sandália Havaiana

Por José Carlos Sá

Quando chegamos a Belo Horizonte, no final da década de 1960, como dizia Raul Seixas, “inocente, puro e besta”, tudo era novidade. Nossos familiares também se mudaram para a capital. Foi bom, os avós e tias moravam no mesmo bairro que nós, bastavam algumas pernadas e visitávamos todo mundo.

A escada rolante mencionada, em foto recente (Foto EM)

Um dia, mãe e tia Nívia resolveram passear no centro da cidade, para “ver preço”, diria Marcela. Chegamos à Galeria Ouvidor, um corredor comercial entre as ruas São Paulo Curitiba, que devido à diferença de nível, havia escadas rolantes ligando os andares.

Eu nunca tinha visto uma escada rolante na vida e fui experimentar uma nova emoção. Tia Nívea deu um grito e me puxou para trás. Eu usava uma sandália Havaiana (talvez tenha sido a última vez que eu usei esse tipo de calçado, fora de piscina ou praia). Um pé da sandália desceu, sozinho, na escada. Um rapaz que assistiu à manota, resgatou a sandália e devolveu-me.

Fui experimentar a escada rolante algum tempo depois e longe da minha tia.

Tags

Belo Horiizonte D. Nilta Galeria Ouvidor Nívia Dutra Sandálias Havaianas 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*