28 de julho de 2020

Os cadernos de don Rigoberto – O que li no confinamento

Por José Carlos Sá

Os cadernos, que demorei a decifrar (Foto divulgação)

Confesso que tive dificuldades em entender esse livro. O encadeamento dos capítulos estava confuso. As cenas de sexo narradas pelo autor me deixavam intrigado – numa delas, Rigoberto besuntou a esposa Lucrecia com mel e deixou que quatro gatos a lambessem. Em outra, Rigoberto e o irmão dele trocam de esposas, mas Rigoberto só fica assistindo a cena, sentado ao lado da cunhada.

Depois da metade do livro resolvi ler as sinopses sobre a obra. Descobri: 1 – que o livro é continuação de Elogios à madrasta; 2 – Que se não ler um não vai entender o outro; 3 – que a obra tem três tempos: As cartas de Don Rigoberto; os fatos vividos por Lucrécia; e as fantasias sexuais de Rigoberto, escritas nos cadernos do título.

Assim ficou mais claro para eu entender o enredo. Já li coisas melhores do Mario Vargas Llosa, como Pantaleão e as visitadoras, A casa verde, A guerra do fim do mundo e Tia Julia e o escrevinhador.

Modelo com meias verdes (Desenho Egon Schiliele)

Os cadernos de Don Rigoberto não é um livro erótico, apesar de ter esse ingrediente. Também fala de artes plásticas, já que o menino Alfonso, o Fonchitoe aluno de pintura, é obcecado pelo pintor austríaco Egon Schiliele, mas também se fala sobre as obras de Gusvat Klimt, Joan Ponç, Victor Brauner, Jean-Auguste Dominique Ingres, Ticiano, Bartolomé Esteban Perez Murillo ou Eduardo Úrculo.

Os cadernos de Don Rigoberto que li foi editado pela Companhia das Letras/1997.

Tags

Artes Plásticas Literatura Mário vargas Llosa Os cadernos de don Rigoberto 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*