11 de abril de 2020

A Cidade de Matto-Grosso, Antiga Villa-Bella – O que li no confinamento

Por José Carlos Sá

Ao procurar livros para baixar e ler enquanto a quarentena não acaba, encontrei este na Biblioteca José Mindlin e achei estranho o título não constar na bibliografia de seu autor, o já citado Visconde de Taunay. Abri o PDF e fiz uma leitura “na diagonal”, como diz o amigo Luiz Fajardo. Vi que o tema principal do livro é o também citado Amado Adriano Taunay e a morte trágica dele quando tentava atravessar o rio Guaporé a nado, no dia 5 de janeiro de 1828, em plena época de cheia.

Amado Adriano Taunay (auto-retrato/1827)

Taunay, igual a mim, é apaixonado pela antiga capital da Província de Mato Grosso, a emblemática Vila Bela da Santíssima Trindade, fundada em 1752, pelo capitão-general Dom Antônio Rolim de Moura, na margem do rio Guaporé, seguindo uma estratégia de ocupação do interior do Brasil, traçada pelo Marquês de Pombal, 1º ministro de Portugal.

Moita de Palmeiras Buritis (Desenho Amado Taunay/1827)

Pulando a parte ‘elogiativa’ ao tio do autor, que morreu aos 25 anos, em pleno auge da sua criatividade como desenhista, pintor, poeta, compositor, entre outras qualificações, o Visconde de Taunay descreve a Villa Bella original e depois da decadência, quando a capital da Província foi transferida para Cuiabá.

Ruínas da igreja matriz de Vila Bela (Foto Guilherme Munhoz/Instagram)

No retorno de uma viagem que fizemos a Mato Grosso do Sul havíamos planejado passar por Vila Bela, mas o cansaço venceu, a visita ficou para outra oportunidade que ainda não aconteceu.