01 de abril de 2020

Dia da mentira

Por José Carlos Sá

Dedos cruzados para contar uma mentira (Imagem Rawpixel)

Nas Minas Gerais da minha infância/adolescência, o primeiro de abril se tornava um festival de criatividade para inventar uma história e passar para frente. Algumas eram inverossímeis; em outras os ouvintes só descobriam o logro quando se gritava ao final do causo: “1º de abril! Peguei o bobo!”

Eu trabalhava nos Correios e ia almoçar na casa da minha avó no bairro Pompéia, em Belo Horizonte. Um dia, enquanto almoçava, falei:

– A senhora sabe o que aconteceu no ônibus? Uma senhora que estava sentada ao meu lado, de repente, disse que o relógio dela havia sumido e que eu era o suspeito. Ela gritou para o motorista, que parou o ônibus.

Minha avó, de pé ao meu lado, segurava a respiração. Também chegaram meu avô (irmão da vózinha) e a minha tia Maria. Continuei:

– O motorista veio até onde nós estávamos atraindo a atenção dos demais passageiros. Eu disse a eles que não havia roubado nada e que nem tinha relógio nenhum. Começaram a gritar: “Toca pro distrito! Toca pro distrito”. Mas não foi preciso.

– Conta Neném! Acharam o relógio? O que aconteceu?

– O relógio despertou e eu acordei! Primeiro de abril!

Só não apanhei porque estava almoçando…

Tags

1º de abril Belo Horizonte Correios Dia da mentira 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*