21 de fevereiro de 2020

Carnavais na Ilha de Santa Catarina – Os carros de mutação

Por José Carlos Sá

Antes das agremiações carnavalescas florianopolitanas adotarem o modelo de desfile das Escolas de Samba do Rio de Janeiro (aliás, a maioria das cidades imita ou tenta imitar) o festejo de Momo era comemorado de uma forma original: os carros de mutação.

Ouvi o termo em uma entrevista de um antigo carnavalesco e me provocou a curiosidade de saber como era o dito cujo referido. A pesquisa mostrou o que talvez seja o avô dos carros alegóricos, só que os construtores não possuíam nenhuma das tecnologias disponíveis hoje e construíam as engrenagens de forma artesanal. O conjunto do carro de mutação era tracionado por cavalos ou burros e depois tratores.

Vejam as fotos e as datas aproximadas:

Antigo carro de alegoria e mutação da Sociedade Carnavalesca Filhos da Minerva, início do século XX (Acervo fotográfico Casa da Memória/Fabiana Machado Didoné)

 

Registro da década de 1920 (Acervo fotográfico Casa da Memória/Fabiana Machado Didoné)

 

Início de século XX (Acervo fotográfico Casa da Memória/Fabiana Machado Didoné)

 

Década de 1950, no entorno da Praça XV (Acervo: Casa da Memória/Fabiana Machado Didoné)

“O sistema era formado por catracas manuais, com roldanas, e acionado por manivelas. Uma combinação de mãos leves de artistas (que preparavam as alegorias) com braços fortes de operários”, explica Fabiana Machado Didoné, mestre em Artes Visuais pela Udesc, no artigo “Um novo olhar sobre as alegorias carnavalescas – Os carros de mutação de Acary Margarida“. (https://bit.ly/2HLMH2G)