23 de dezembro de 2016

Pesar

Por José Carlos Sá

Deputada Lucia Tereza (esq) não tinha papas na língua (Foto Ana Célia/ALE-RO)

A deputada Lucia Tereza (esq) não tinha papas na língua (Foto Ana Célia/ALE-RO)

Lamento muito o falecimento da deputada estadual Lúcia Tereza, ocorrido na madrugada de hoje. Ela estava sendo submetida a uma cirurgia de emergência, mas não resistiu. Uma grande perda para Rondônia.

Conheci a professora Lúcia Tereza em 1986, quando ela era prefeita de Espigão do Oeste, no primeiro mandato. Eu acompanhava o governador Ângelo Angelim que vistoriava obras da Caerd em todo Estado. Em Espigão, ela e o governador iam subir em uma escada de madeira para ver a construção e o cinegrafista Aldenir “Chapinha” Paes se preparou para gravar. Dona Lúcia viu e disse: “Se você me filmar por baixo, te dou uma porrada!”.

A última vez que me encontrei com ela foi há alguns meses, quando almoçávamos no mesmo restaurante. Quando saía a deputada parou na minha mesa e me deu um abraço dizendo que eu estava sumido.

Dona Lúcia Tereza é importante não só pela história de vida dela, mas também pelas atitudes que tomava e mantinha. Eu a admirava. Ela também não tinha freio na língua e dizia o que pensava.

Descanse em paz, professora.