12 de fevereiro de 2015

PREMEDITANDO A CONFUSÃO

Por José Carlos Sá

Ao receber a minha conta de água, perguntei ao cara que verifica o consumo, como ele faria para fazer o cálculo, já que o meu hidrômetro foi furtado. Eram dois funcionários da empresa que presta este serviço à Caerd. Um fotografou o cavalete improvisado e o meu endereço, existente na caixa de correio, enquanto o outro emitia a fatura.

(Foto JCarlos)

O “fotógrafo” respondeu: “Estamos fazendo por média… Roubaram o seu medidor também, né?”
– É… Vocês estão encontrando muitos casos como o meu?
Ele fez, com uma das mãos o gesto de “assim”, juntando e abrindo os dedos.
– Nos bairros Agenor de Carvalho e Aponiã “fizeram” três ruas inteiras…
Ao me entregar a fatura, o segundo funcionário disse para o outro: “Eles [a Caerd] vão cobrar 130 ‘paus’, mesmo com o B. O…”
– Hein? Entrei na conversa.
– É, diz-que vão cobrar R$ 130 de quem teve o medidor roubado, mesmo com o B. O.
– Veremos, respondi, já arregaçando as mangas da camiseta.

Taí uma briga boa, em que não vou precisar nem do “pino” que o “Aranha” usou no UFC…

Tags

amigos do alheio caerd Cidade sem lei Porto Velho Roubo de hidrômetros 

Compartilhar

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*