30 de outubro de 2014

NEM ISSO, NEM AQUILO – II

Por José Carlos Sá

Com o (esperançoso) título “Pós-eleições – Começa faxina dos comissionados: só no gabinete de Confucio 11 são exonerados”, o jornal eletrônico “Rondoniagora” publica a relação de servidores de cargos em comissão exonerados pelo Governo do Estado, numa aparente assepsia da folha de pagamento. São 22 agora ex-servidores, sendo a metade do gabinete do Governador.

Eu faço outra leitura. Passado o segundo turno, vencidas as eleições, as faturas começam a vencer e cargo comissionado, queiramos ou não, é uma moeda muito bem aceita no mercado e que liquida notas promissórias eleitorais.

Também no Diário Oficial, os servidores civis e militares que se licenciaram para concorrer a uma função eletiva, retornam a seus cargos, provavelmente recontando os votos que não tiveram, mas que contavam com eles para não ter que voltar às suas repartições.