18 de novembro de 2020

Fascismo à brasileira – O que li no confinamento

Por José Carlos Sá

O livro traça um paralelo entre o Brasil de 1920/40 e o de 2019 em diante (Foto divulgação)

O meu tio-avô João Batista Moreira, ou Joãozinho, mas para mim, Zizinho, teve um passado de emoções. Foi soldado da Polícia Militar de Minas Gerais, sendo designado para participar das “volantes” que caçavam cangaçeiros no norte do Estado. Depois se inscreveu na Ação Integralista Brasileira, cuja ideologia era nacionalista, conservadora, católica (depois Zizinho aderiu às Testemunhas de Jeová), corporativista, fascista, anticomunista e municipalista. Ainda cheguei a ver algumas publicações integralistas, em uma a capa era o “monstro” comunista comendo uma criancinha. Este mito marcou o imaginário de toda uma geração.

Eu sabia o que era o Integralismo, mas nunca tive curiosidade de me aprofundar no tema, até que ganhei da Marcela o livro Fascismo à brasileira: Como o integralismo, maior movimento de extrema-direita da história do país, se formou e o que ele ilumina sobre o bolsonarismo (Editora Planeta/2020), do jornalista Pedro Doria e fiquei pasmo. É aquele velho chavão: “Conheça o passado para entender o presente”.

Cartaz convocando voluntários (Fonte Internet)

O integralismo tupiniquim, com o lema “Deus, Pátria, Família” foi inspirado no fascismo italiano de Benito Mussolini e na SA (Sturmabteilungen – Destacamento Tempestade), dos seguidores de Adolf Hitler, que tinham em comum a proteção ao chefe e o combate ao comunismo. O movimento, liderado pelo jornalista e deputado Plínio Salgado, durou de 1920 a 1940 e é considerado pelo autor “o maior movimento de extrema-direita no país até o surgimento de Jair Bolsonaro”.

É bom conhecer a História.

Tags

Bolsonarismo Editora Planeta Integralismo Pedro Dória Plínio Salgado 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*