31 de julho de 2020

O rebuçado

Por José Carlos Sá

Rebuçar é do tempo dos Cobertores Parayba (Fotograma do anúncio da empresa)

A Marcela está lendo o livro Manuelzão e Miguilim, de Guimarães Rosa. De vez em quando pergunta o significado de uma palavra usada no interior das Minas Gerais. Ontem perguntou o que era um caxinguelê. Expliquei que o caxinguelê parece com um esquilo. Após mais algumas páginas, Marcela comentou que surgiu uma palavra incomum, mas que ela já havia aprendido o significado comigo: rebuçar, que eu já tinha explicado há muito tempo, ao falar dos dialetos usados em casa.

Na nossa casa em Teófilo Otoni, o rebuçar era muito usado. Gritávamos do quarto: “Mãe, vem me rebuçar!”. Muito mais tarde, já em Belo Horizonte, nos meus pensamentos entendi que a palavra estava errada e senti vergonha de tê-la usado à exaustão na minha infância.

Agora vejo que não. A palavra rebuçar, que significa cobrir, apenas caiu em desuso.

P.S. Na época da Inconfidência Mineira havia um jornal de oposição ao governo colonial chamado O Rebuçado, circulava em Villa Rica – atual Ouro Preto – MG, o nome do jornal tinha o sentido de encapuzado.

Tags

Cobertores Parayba Guimarães Rosa Inconfidência Mineira O Rebuçado Teófilo Otoni 

Compartilhar

Comentários

  • Leo Ladeia disse:

    Em Portugal o termo rebuçado é usado para identificar de forma geral doces ou balinhas enrolados em papel celofane. Obrigado véio… Só hoje entendi o porquê.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*