29 de março de 2009

DOMINGÃO DO ZEZÃO

Por José Carlos Sá

Acordei hoje na hora de sempre, seis horas, e com o humor incomum a esta hora. Agorinha vi a Mar acordar o JP com o método que eu mais detestava quando na infância: abrir a persiana e deixar a luz entrar no quarto. Eu queria matar minha mãe.
Escutei a Mar dizendo: – Acorda meu filho (Como se pudesse continuar dormindo com essa luz toda na cara!). Ei, João Pedro, você não trocou de roupa! Pronto. Levanta, tira a roupa, toma banho e veste a roupa de novo, que vamos tomar café fora.