05 de maio de 2020

Devoções e crenças luso-açorianas – O que li no confinamento

Por José Carlos Sá

Antes de falar sobre este livro há a história de como cheguei a ele. No dia 6 de março o jornal eletrônico Correio de Santa Catarina publicou matéria sobre o lançamento da obra prevista para o dia 26 de março, na Biblioteca Pública de Santa Catarina, no centro de Florianópolis.

O assunto me interessou e eu cogitei ir ao evento para conhecer o autor e me entrosar. Pedi o livro pelos Correios e na semana seguinte tudo parou inclusive a editora de quem eu comprei o livro, que só chegou às minhas mãos dia 24 de abril.

A tradicional festa do Divino em São José – SC (Foto Prefeitura/Divulgação)

Como o título entrega, o autor trata das tradições religiosas que os açorianos e os madeirenses trouxeram para o Brasil, especialmente para o litoral de Santa Catarina, nas ondas de imigração ocorridas entre 1748 e 1754. Algumas destes costumes permanecem até hoje, enquanto outros foram modificados com o tempo.

A procissão do Senhor dos Passos é uma destas tradições que existe até hoje, desde 1766 e neste ano da graça do Nosso Senhor Jesus Cristo de 2020, não teve devido à pandemia do coronavírus. Outro costume religioso trazido foi a festa do Divino Espírito Santo.

As bruxas de Cascaes (Desenho Franklin Cascaes)

A obra também trata da crendice nas bruxas, tão bem estudada e resgatada pelo professor  Franklin Cascaes, das benzeduras e dos seres imaginários como o lobisomem, a mula sem cabeça e boitatá.

O livro Devoções e crenças luso-açorianas tem como autor o professor Telmo Pedro Vieira (Appris Editora/2020).