09 de março de 2020

Dando vida a pedaços de madeira

Por José Carlos Sá

A Marcela entrevistou na semana passada um artesão que esculpe bonecos em pedaços de madeira que ele cata na rua ou – em alguns casos – compra nas madeireiras.

Um canivete e um pedaço de madeira. Em que se transformará? (Foto Marcela Ximenes)

Usando um facão, um serrote, um canivete, e a ajuda de um pequeno torno de bancada, seu Manoel Petronilio Pereira transforma os pedaços de madeira em personagens que ele trouxe na memória de menino que trabalhava na roça com o pai dele na cidade de Paulo Lopes (a 46 quilômetros aqui de casa). Ele diz que não sabe o que vai sair esculpido, que pode ser uma benzedeira, um padre, um menino tomando banho na gamela ou um carro de boi.

Carlinhos, o menino que inspirou o avô a ser artesão (Foto Marcela Ximenes)

O mais interessante é como o seu Manoel se tornou artesão. Aposentado, por invalidez, estava sentado na garagem da casa, quando o neto, Carlinhos que mora com os avós, falou para ele: “O vô não sabe, mas o vô tem uma inteligência dentro do coração. É uma inteligência que está no coração e não na cabeça do vô. O vô pode fazer bonecos de madeira, carro de boi, dinossauro e tubarão”.

Seu Manoel, entre suas criações (Foto Marcela Ximenes)

Muitos dias depois desta revelação, seu Manoel foi tentar esculpir alguma coisa. Em um pedaço de eucalipto ele esculpiu um carro de boi, como se recordava daquele que o pai dele trabalhava. Daí não parou mais. Hoje vende seus produtos na Feira da Freguesia, no centro histórico de São José da Terra Firme, onde o conhecemos, e na Feira Viva a Cidade, que é montada no centro histórico de Florianópolis. Também há trabalhos do seu Manoel em lojas de artesanato nos pontos turísticos, como no Ribeirão da Ilha, Campeche e Mirante da Lagoa.

O universo que o seu Manoel conheceu quando criança (Foto Marcela Ximenes)

“Benzedeira”, obra com que o seu Manoel presenteou a Marcela (Foto JCarlos)

Não pude deixar de fazer uma relação com a história do Pinóquio (As Aventuras de Pinóquio, Carlos Colli/1881), que foi esculpido pelo marceneiro Gepeto para ter uma companhia. A Fada Azul deu vida ao boneco e Gepeto não teve mais sossego…