26 de janeiro de 2020

Uma leitura pesada

Por José Carlos Sá

Estou lendo, muito lentamente, o livro Escravidão – Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares – Volume I, do Laurentino Gomes (Globo Livros, 2019). A falta de pressa é porque o assunto é pesado e muitas vezes volto atrás para reler ou vou pesquisar sobre algum personagem citado na obra.

A maldade das pessoas é uma arte, parafraseio Ataúlfo Alves, e me impressiono com os castigos narrados por Laurentino a que os escravos eram submetidos, a começar pela viagem compulsória desde o outro lado do oceano.

Casa da Torre- Onde os escravos eram seviciados (Foto Jota Freitas/Bahiatursa)

Citado como denunciado à Inquisição, lá pela metade do século XVIII, o nobre Garcia D’Ávila Pereira Araújo, herdeiro da Casa da Torre, tido como o homem mais rico da Bahia, claro, foi absolvido das acusações. Fui pesquisar sobre essa pessoa. O cara era uma representação humana do capiroto. Malvado, sádico, torturador são adjetivos leves para descrever o “fidalgo”.

Não vou reproduzir aqui os crimes que ele cometeu. Deixo o link para vocês lerem depois, se desejarem. A pesquisa é do antropólogo Luiz Mott (https://bit.ly/2RJQSAk), professor aposentado pela Universidade Federal da Bahia.

É por isso que a leitura está devagar.

Tags

Casa da Torre Escravidão Laurentino Gomes maldade humana 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*