23 de novembro de 2019

Caderno perdido

Por José Carlos Sá

A Marcela foi cumprir uma pauta no Centro Histórico e, enquanto esperava o Uber, deixou o caderno de anotações de lado. Quando o carro chegou, ela entrou e veio embora, só sentindo falta do caderno ao desembarcar. Ainda ligou para a entrevistada, pois poderia ter deixado o caderno lá. A senhora ainda foi até o banco onde a Marcela se sentou, mas nada foi encontrado.

Recado para quem achasse o caderno perdido

Quando éramos criança, D. Nilta escrevia na contracapa de livros e cadernos o seguinte recado: “Se esse caderno [ou livro] for perdido, pode também ser achado. Para evitar enganos trago meu nome gravado: José Carlos de Sá Junior”

A trilha deste post só pode ser: “Caneta azul / Azul caneta / Caneta azul tá marcada com minha letra…”

Tags

D. Nilta Marcela Ximenes São José da Terra Firme Teófilo Otoni 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*