11 de novembro de 2019

Pesadelo boliviano

Por José Carlos Sá

Bolivianos saem às ruas para comemorar a renúncia de Evo Morales (Foto Marco Bello/Reuters)

Em meados de outubro uma matéria da BBC comentava o bom desempenho econômico da Bolívia, sob o governo de Evo Morales, atribuindo ao sucesso à nacionalização do gás e do petróleo (o Brasil tomou no prejuízo com essas medidas).

Mas o tempo virou. Com a tentativa de se manter a todo custo no poder, onde já estava há 13 anos, Morales e seus seguidores tentou vencer as eleições por um atalho. A imprensa e os delegados da OEA, que acompanhavam o pleito, denunciaram a fraude e a população saiu às ruas. E quando a população sai às ruas, o caldo engrossa.

Evo Morales anunciou ontem (10/11) a sua renúncia à presidência da Bolívia, ato que se repetiu em série com as renúncias do vice-presidente Álvaro Garcia Linera, do presidente da Câmara dos Deputados,  Víctor Borda, além de dois ministros, três vice-ministros, um governador, seis legisladores e dois senadores eleitos do MAS, partido Movimento para o Socialismo (Movimiento al Socialismo, em espanhol). O país será governado por presidente próisório até a realização de novas eleições.

Ninguém arrisca um palpite sobre o futuro do país.

(Texto atualizado)

Tags

BBC News Bolívia Evo Morales 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*