30 de julho de 2019

A mãozada que elegeu Confúcio

Por José Carlos Sá

O senador Confúcio Moura, através do Twitter, lembrou que há uma ano tentaram dar-lhe uma rasteira, na Convenção do MDB, para que não disputasse a vaga ao Senado. Confúcio agradeceu aos adversários pela presepada que acabou o elegendo:

Posts de Confúcio na conta dele no Twitter, no domingo 28072019

Há alguns dias eu conversava com o amigo Emerson Castro pelo whatsapp sobre a “histórica” convenção do MDB, em 30 de julho de 2018, que selou a eleição do atual senador Confúcio Moura e outros integrantes do grupo do ex-governado de Rondônia. Apesar de não ter revidado a agressão que sofreu, Emerson ainda sente o tapa.

Tapa de Tomás em Emerson selou o destino do Partido nas eleições de 2018 (Foto acervo Banzeiros 30072018)

Apenas para refrescar as memórias, o partido – que já foi o maior do Brasil – se apresentou rachado para a convenção. O grupo que dominava o Diretório Regional queria dar um golpe e deixar Confúcio sem legenda para disputar o senado e, possivelmente, tirar a reeleição do então senador Valdir Raupp, e a mesma coisa para outros cargos, o que acabou acontecendo.

O que selou a garantia da inclusão de Confúcio Moura na chapa foi a mãozada que o “pacato” presidente do MDB, Tomás Correia deu em Emerson. A agressão não foi devolvida e a história seguiu o seu curso. Banzeiros narrou a peleja no calor da hora.