26 de junho de 2019

Pirê, pirê, pirêêê

Por José Carlos Sá

 

    Michael Jackson na festa do Grammy (Foto divulgação)

 

Ontem, 25/06, foi lembrado que há dez anos o cantor Michael Jackson faleceu em circunstâncias ainda mal explicadas. Me lembrei que em 2009, logo após ele morrer, todos sofremos uma overdose de execução de músicas, clips, reportagens (algumas requentadas) e a gravadora continuou a vender os discos, inclusive com obras póstumas e algumas gravadas por imitadores do cantor.

Foi neste embalo post mortem que o JP “descobriu” o Michael Jackson! Comprei um DVD para ele com vários clássicos do cantor, que era assistido pelo JP e pelo Dudu (Carlos Eduardo), amigo dele e nosso vizinho, praticamente o dia todo e ensaiavam o passo “Moon Walk”, em que Michael deslizava para trás. Numa dessas ocasiões, a Marcela cantarolava, acompanhando a música que era exibida e JP estranhou a mãe dele conhecer a melodia. Para ele era novidade absoluta.

Para explicar o título do post, é uma onomatopeia. Era assim que o JP e o Dudu cantavam a “Beat it“!

Tags

JP Marcela Ximenes Michael Jackson 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*