25 de junho de 2019

Arriscando a reputação

Por José Carlos Sá

Vila Buena Vista, no lado boliviano do rio Guaporé, em chamas (Foto jornal Correio do Vale)

De Rondônia recebo a informação do incêndio que destruiu residências e lojas na localidade de Buena Vista, na margem boliviana no rio Guaporé, em frente à cidade de Costa Marques. Ainda não sei o tamanho do prejuízo, pois a vila era de prédios de madeira, construídos sobre palafitas, um colado ao outro.

Durante o governo Bianco, uma ação do Ibama fechou várias serrarias e madeireiras na cidade de São Francisco do Guaporé, na BR-429, e os empresários fizeram um protesto fechando a rodovia federal, pois o setor madeireiro era responsável por 90% da economia do município. Acompanhei o então vice-governador Miguel de Souza e o superintendente do Ibama em Rondônia, Hamilton Casara, em reunião com prefeitos e madeireiros da região para solucionar o problema.

Ainda em Porto Velho, ao chegarmos ao hangar da empresa que prestava serviços aéreos ao governo, soubemos que não havia nenhum avião disponível naquele dia. Por sorte, encontramos um diretor de uma estatal que estava indo para Costa Marques e nos ofereceu carona. Embarcamos na avioneta e seguimos para a fronteira, encontrando um ambiente pesado, mas que foi reduzindo a tensão à medida que a reunião avançava, tendo terminado de forma positiva para todos os envolvidos.

Alguém sugeriu que fossemos passear em Buena Vista, pois faltava mais de duas horas para decolarmos retornando a Porto Velho. Atravessamos o rio Guaporé e quem encontramos lá? O diretor que estava nos dando carona. Ele comprara uma espingarda .22 e bastante munição. Me deu uma aflição de sermos presos pela polícia devido ao contrabando de arma de fogo. Mas, felizmente, não fomos interceptados por ninguém. Imagina o tamanho do escândalo que seria!