22 de junho de 2019

Homenagem a Euclides da Cunha

Por José Carlos Sá

 

A 17ª Festa Literária Internacional de Paraty – Flip terá como homenageado o escritor, engenheiro, jornalista, geógrafo Euclides da Cunha, que ficou imortalizado por “Os Sertões”, que é a obra mais citada. Mas o autor escreveu outros livros, artigos, proferiu palestras e foi membro da Academia Brasileira de Letras e Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

 

Os Sertões e o Diário me acompanharam para Santa Catarina (Foto JCarlos)

 

Eu já sabia do livro “Os Sertões”, mas nunca me animei a lê-lo, até que fui presenteado pelo CIMI – Conselho Indianista Missionário de Porto Velho com uma coleção popular de livros sobre as revoltas brasileiras, entre elas a “guerra” de Canudos. A partir daí tomei coragem de encarar as mais de 700 páginas do livro editado pela Editora Ática – a mais popular que eu podia comprar. Me apaixonei. Depois li livros da professora Walnice Galvão, especialista em Euclides da Cunha; o famoso “Guerra do Fim do Mundo”, do peruano Mário Vargas Llosa; e o que eu encontrasse sobre o assunto, inclusive o “Canudos – Diário de Uma Expedição”, do próprio Euclides da Cunha.

Depois dessa leitura apurada sobre a guerra de Canudos, fui pesquisar sobre outro assunto com afinidade: a ‘Santa’ Inquisição, mas aí é outra história…