02 de abril de 2019

Coincidência ou o mundo é pequeno?

Por José Carlos Sá

Trajetórias de dois mineiros encontrados em Santa Catarina. Em preto, o meu caminho; em vermelho o do seu Menino (Mapa IBGE)

No barbeiro, enquanto aguardava minha vez, fiquei conhecendo um jovem senhor de 75 anos. Ele trabalha limpando e capinando terrenos e disse que se parar de trabalhar adoeceria. “Eu ia com meu pai para a roça desde criança, em Minas Gerais”. Quando ele fez uma pausa, perguntei em que cidade ele havia nascido e o diálogo foi assim:

– Nasci em Carlos Chagas, no norte de Minas…
– Eu nasci em Teófilo Otoni, ali na mesma região…
– Quase nascemos na mesma cidade… E o senhor veio de Minas para cá?
– Não. Eu morava em Rondônia e de lá é que eu vim para Santa Catarina…
– Não diga! Eu também morei em Rondônia, em Cacoal… Hahahaha…

Para mostrar conhecimento, enumerou as cidades ao longo da BR-364 e os políticos de quem se lembrava: Chiquilito, Valdir Raupp, José Bianco, Orestes Muniz, Sadraque Muniz, o “Bengala” [Jerônimo Santana, não o vereador], Osvaldo Piana, Olavo Pires [falando para o barbeiro:”Olavo Pires foi executado no pé do palanque”], perguntando por cada um deles.

Quando terminei de cortar os cabelos me despedi do senhorzinho, que se levantou e me deu um abraço e falou para o barbeiro: “É muita coincidência”
– Estou impressionado! Respondeu o cabeleireiro.

Mas aqui em casa dizem que coincidência não existe, então o mundo é pequeno e estamos todos dentro dele!