01 de março de 2019

A ironia voltou

Por José Carlos Sá

Falava, há dias, com a Marcela que eu sentia falta das marchinhas de carnaval que ironizavam os políticos e as situações que o país atravessa, como ocorria nos meus tempos de menino e muito antes também. O brasileiro sempre foi muito irônico e não perde a oportunidade de sacanear e esculachar até com a própria dor. Em suas duas passagens pela presidência da República, Getúlio Vargas foi a “vítima” preferencial dos compositores.

Ouvindo a rádio CBN hoje (01/03), o Milton Yung anunciou o resultado da 6ª edição do Concurso de Marchinhas de Carnaval. A vencedora foi a marchinha “Talquey, talquey” [👈 ouça aqui], de autoria da Família Bastos, que usou bordões e frases do presidente Jair Bolsonaro e apoiadores para montar uma letra hilária, com pitadas de auto-ironia. Veja a letra:

A culpa é do PT

E dessa corja vagabunda de artistas

Essa mamata vai acabar

O bozo é o mito, fora, fora, comunistas

A culpa é do PT    [talquey, talquey!]

E dessa corja vagabunda de esquerdistas

Vamo’ acabar com isso daí

O bozo é o mito, fora, fora, comunistas

Nossa bandeira jamais será vermelha

Quem garantiu foi Jesus na goiabeira

Chegou a hora da nossa oração

Partiu igreja com a arma na mão 

Bandido bom é bandido morto

Sou cidadão de bem porque eu sou cristão

Melhor já ir preparando o que fazer

Vão acabar com a lei Rouanet

Traz a damares, traz o mourão

Que traz seu filho pra mamar no tetão

Prepara um suco de laranja pro Queiroz

Que traz um dinheirinho para todos nós