29 de outubro de 2018

Rescaldo das eleições em frases

Por José Carlos Sá

A lenda do beija-flor e incêndio na floresta (Edição JCarlos)

A apuração acabou, mas os ânimos ainda estão exaltados, já durante os últimos 45 dias vimos o exercício explícito de desrespeito à opinião do outro. Abaixo algumas frases de ontem e de hoje sobre o “dia depois”.

“Independentemente de quem o eleitor queria que ganhasse, ou não ganhasse, independentemente das ‘tretas’ que aconteceram, nós tivemos o direito de votar. E das melhores coisas que temos na democracia é que nós temos o direito de errar a cada quatro anos. Isso é genial”, Milton Jung, âncora do Jornal da CBN, hoje, 29/10;

“Ponha uma [cachaça] prá mim. Vou ali votar e fazer *erda. Qualquer coisa, eu estava bêbado!” Anônimo, numa distribuidora aqui perto de casa, ontem, 28/10.

“Os eleitores sempre têm razão, mas às vezes não acertam. Sobretudo quando a alternativa não empolga. Só o tempo mostrará se a razão se une ao acerto” Senador não reeleito Cristovam Buarque (PPS-DF), que anunciou voto no candidato Fernando Haddad na semana passada, depois de fazer oposição ao PT desde que saiu do partido em 2005. Cristovam foi ministro da Educação no governo Lula e foi demitido por telefone.

“Cada um puxa a brasa retórica pra própria sardinha. Os perdedores culpam todo mundo – menos eles mesmos – pela derrota, os ganhadores tiram sarro dos perdedores e acham que escolheram o certo, e os que não escolheram ninguém acham que ambos os lados estão repletos de loucos”. Adriano Oliveira, artista plástico, via Twitter.