09 de outubro de 2018

Efeito eleitoral da Lava Jato

Por José Carlos Sá

O resultado das eleições do último domingo, 7 de outubro, reflete os efeitos da Operação Lava Jato e de seus desdobramentos. O vereador pelo DEM do Rio de Janeiro, César Maia (tentou o Senado, ganhou nas pesquisas, mas perdeu nas urnas) disse em seu ex-blog: “Lava Jato no Brasil produziu o mesmo strike parlamentar que Mãos Limpas na Itália”. Dez senadores envolvidos com a Lava Jato não retornarão ao Senado em fevereiro de 2019. A renovação foi grande na Câmara (53,2%) e no Senado (85%), além de cinco novos partidos terem eleito representantes, o que propiciará um ambiente com opiniões mais fragmentadas do que ocorre hoje.

Efeito semelhante ocorreu no Peru, conforme relata O Globo: “Os peruanos foram às urnas domingo para eleger governadores e prefeitos dos 25 departamentos (estados) e o resultado foi um claríssimo voto de castigo aos partidos nacionais e até pouco tempo mais fortes no cenário local, todos envolvidos na ‘Lava Jato peruana’, entre eles o fujimorista Força Popular — ao mesmo tempo, consolidou-se a tendência de crescimento e triunfo de partidos e movimentos locais e regionais que, segundo analistas, passarão a comandar entre 75% e 80% dos governos estaduais e municipais do país”.