23 de setembro de 2018

Os porquinhos das eleições

Por José Carlos Sá

Apesar de ser uma conduta vedada (adoro esse termo), os mau educados continuam sujando os bens públicos. Quando atravessávamos a ponte metálica da extinta EFMM sobre o rio Ribeirão, no município de Nova Mamoré, vimos um grupo de homens emporcalhando uma das cabeceiras do pontilhão histórico. Apesar do protesto da Mar, abri a janela e gritei: Ei! Isso é proibido!

Seguimos alguns metros até a Casa dos Doces, parada obrigatória para comprar cocada e depois voltamos. Fiz questão de fotografar a sujeira que fizeram. Espero que a Justiça Eleitoral esteja atenta e puna exemplarmente (Eita!) os Sugismundos.

A ponte metálica da extinta Estrada de Ferro Madeira-Mamoré serviu de suporte para a adesivagem política (Foto JCarlos)

Adesivos dos candidatos Léo Moraes e Carlinhos Camurça, com certeza (Foto JCarlos)

Expedito, Marcos Rogério e Carlos Magno com os sujões (Foto JCarlos)

Isaías Fernandes, atrás da placa de sinalização rodoviária (Foto JCarlos)

 

Luiz Cláudio da Agricultura economizou madeira e afixou a faixa da campanha dele na placa do DNIT (Foto JCarlos)