04 de agosto de 2018

Farquhar e Itabira

Por José Carlos Sá

Itabira – MG, meados do século 20 (Foto blog Vila da Utopia)

Itabira hoje – metade cidade, metade cratera da Vale S/A (Foto Google Maps)

Há poucos dias compartilhei no meu perfil no Facebook uma publicação da Fundação Biblioteca Nacional sobre Percival Farquhar e perguntava como seria Porto Velho hoje, sem a existência dele. Nesta madrugada, li na Folha uma entrevista com o professor José Miguel Wisnik, autor do livro “Maquinação do Mundo“, onde faz um releitura dos poemas de Carlos Drummond de Andrade a partir de uma visita ocasional à Itabira,  terra natal do poeta. Wisnik entendeu, então, o verso “Itabira é apenas uma fotografia na parede. Mas como dói!”

Percival Farquhar (Foto internet)

O que tem a ver Drummond, Wisnik, Itabira com Farquhar? É que a empresa que iniciou a exploração do minério na região, em 1910, a Itabira Iron Ore Co. pertencia a ninguém mais, ninguém menos que Percival Farquhar! Ele!

Tags

Carlos Drummond de Andrade Folha de S. Paulo Itabira José Miguel Wisnik Minas Gerais 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*