01 de agosto de 2018

Do passado

Por José Carlos Sá

A partir da esquerda: Orestes Muniz, Amir Lando, Jerônimo Santana, José Guedes e Tomas Correia (Foto Google)

Mais uma historinha de política. Nas eleições de 1986 o PMDB estava muito forte devido à recente redemocratização do país e ao falecimento do quase presidente Tancredo Neves. A convenção do partido em Rondônia foi bastante concorrida e a formação da chapa foi trabalhosa, pois havia centenas de candidatos a candidatos. Para se ter um ideia, para o Senado  havia duas chapas, cada uma com quatro candidatos. Estes senadoriáveis também queriam disputar a vice-governadoria. Para agradar todos, ficou combinado que os delegados votariam na chapa para o senado, escolhendo dois nomes. Os demais disputariam um segundo escrutínio de onde sairia o nome do vice.

A votação para a escolha dos candidatos ao senado aconteceu, tendo vencido os então deputados estaduais Amir Lando e Ronaldo Aragão. Antes da realização da eleição para escolha do vice, o candidato a governador Jerônimo Santana bateu a bengala na mesa e disse que queria como companheiro de chapa o então deputado federal Orestes Muniz.

Asim foi a história.