07 de maio de 2018

O Cortiço – edição 2018

Por José Carlos Sá

Cortiço no Rio de Janeiro do século XIX (Foto Internet)

Um dos livros que eram de obrigatória leitura na época em que estudei, O Cortiço, do maranhense Aluísio Azevedo, narrava o cotidiano e as péssimas condições de vida e moradia no Rio de Janeiro no século XIX. Lembrei daquele livro ao ler sobre o incêndio e desmoronamento do prédio em São Paulo.

Prédio que desabou dia 1º de maio, em São Paulo (Foto AminoApps.Com)

Infelizmente não aprendemos com a história e com a vida. O Cortiço é uma obra de ficção baseada na realidade. “A história se repete, a primeira vez como tragédia e a segunda como farsa”, disse Karl Marx. Mas as coisas não acontecem exatamente nesta ordem. Podem ser simultâneas também.

Tags

Aluísio Azevedo Karl Marx O Cortiço 

Compartilhar

Comentários

  • Leo Ladeia disse:

    Parabéns Zé. Perfeitas as lembranças de Aluisio Azevedo e Karl Marx e a análise pertinente, Lembrei do pintor que pinta o quadro de um pintor que pinta um quadro ou, “A vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”. Oscar Wilde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*