06 de abril de 2018

Carta de navegação

Por José Carlos Sá

Marcelo Thomé, presidente da Fiero, dá as boas vindas aos convidados  (Foto Humberto Oliveira/Fiero)

Participei ontem do café da manhã oferecido pela Federação das Indústrias de Rondônia – Fiero, em homenagem ao Dia do Jornalista, comemorado dia 7 de abril, mas que foi antecipado. Quem também esteve por lá prestigiando o evento foi o vice-governador Daniel Pereira, que hoje assume o timão de um barco chamado “Rondônia”.

“Eu não posso ter a Secretaria de Agricultura competindo com a Sedam” Daniel Peeira (Foto JCarlos)

Após ser saudado pelo presidente da Fiero, Marcelo Thomé, Daniel Pereira falou que se torna governador, assim como outros cargos públicos, por acaso. “A minha vida pública é sempre de momento. Eu não era candidato a nada e virei candidato a vereador e fui eleito. Não era candidato a nada, virei candidato a deputado e fui eleito. Fui deputado estadual duas vezes. Eu não era candidato a nada e fui escolhido pré-candidato a deputado federal, virei vice-governador, depois do prazo de convenção e cá estamos nós.

“Minha preocupação é o que vamos fazer de amanhã até o dia 31 de dezembro”

Uma das primeiras ações anunciadas por Daniel Pereira é colocar a Sedam e a Seagri sentadas lado a lado. “Não posso ter a Secretaria da Agricultura competindo com a Sedam. Uma faz e a outra desfaz. Não sei qual o ponto de equilíbrio disso, mas eu vou colocar um ao lado do outro e eles têm de dizer o que a gente tem que fazer. O Estado não pode criar problemas para ele mesmo. Agora, por exemplo, nós tivemos a publicação de uma lei que dispõe sobre licenciamento. Ora, a lei foi feita pelo setor ambiental do Estado, foi mandada para a Assembleia, foi aprovada, etc. e tal e aí só se descobre, depois da lei aprovada, que para executar aquilo ali você vai sacrificar 100% do setor produtivo! É óbvio que eu tenho uma consciência ambiental, agora não vamos ficar um boicotando o outro dentro da mesma instituição. Não vamos resolver 100% dos problemas, essa não é a nossa pretensão, mas pelo menos amenizar aqueles problemas óbvios”.

“Minha preocupação é o que a gente vai fazer – não sou só eu – de amanhã (06/04) até o dia 31 de dezembro [de 2018]. E para 2019, cada um se habilite, vá para a rua, apresente sua proposta e o povo, iluminado pelo trabalho da imprensa, vai saber escolher o que é melhor para o estado de Rondônia”, concluiu Daniel Pereira.

Depois, em entrevista, perguntado se seria candidato a governador, Daniel disse que não sabe, mas que está apto a votar e ser votado.