27 de março de 2018

Talião de quem?

Por José Carlos Sá

Lei do retorno (Fotos MPF, G1, Raolin Magalhães/Rede Amazônica e A Crítica)

A Polícia Federal batizou de “Lex Talionis” a operação deflagrada na cidade amazonense de Humaitá hoje (27/03), para coletar provas e prender os responsáveis pela depredação e incêndio de imóveis e veículos do Ibama e Instituto  Chico Mendes, ocorridos em 27 de outubro de  2017, naquela cidade.

Não sei se o nome da operação policial foi escolhida por causa dos garimpeiros ou por causa dos agentes do Ibama. Naquele dia, no ano passado, agentes ambientais apreenderam cerca de 70 dragas e balsas que realizavam garimpo irregular nos rios da região. Enquanto as apreensões eram realizadas na beira da água, uma manifestação pacífica foi organizada para ir em passeata até a sede do Ibama e solicitar uma negociação.

Enquanto esse grupo se dirigia à sede do Instituto, os agentes passaram a incendiar os equipamentos dos garimpeiros. Imediatamente fotos e vídeos foram enviadas por whatsapp para os manifestantes na cidade, que mudaram de ideia e de ímpeto. Ao chegar ao Ibama e ao ICMbio, tocaram fogo no que encontraram.

Se a Lei de Talião é “Olho por olho, dente por dente”, a qual grupo o nome da operação se refere? Aos agentes federais que colocaram fogo nos equipamentos dos garimpeiros ou aos garimpeiros e pessoas de Humaitá que colocaram fogo nos imóveis e veículos do Governo Federal? Foi causa e efeito.