16 de novembro de 2017

Uma coisa puxa outra

Por José Carlos Sá

Diploma com o qual fui distinguido junto com outros jornalistas

Na terça-feira passei no Senac para buscar o certificado de conclusão de curso que fiz lá. Ao mostrá-lo para a Mar, por esta sinapses que acontecem comigo, recordei do diploma que recebi da Fiero, que homenageou jornalistas por ocasião da entrega do prêmio “Paulo Queiroz de Jornalismo“, quando a Federação completou 31 anos.

Lembrei-me de dois fatos ligados ao assunto. Estive na solenidade de criação da Fiero, em 1986. O ministro do Trabalho Almir Pazzianotto, naquele dia assinou a carta sindical criando o Sindicato dos Jornalistas de Rondônia (ainda existe?) e a Federação das Indústrias do Estado. Fui à solenidade acompanhar o governador Ângelo Angelin, pelo Decom. Na ocasião, o então presidente da Fiero Simon Camelo, fez um discurso criticando o Governo do Estado. Angelin se recusou a discursar e saiu da solenidade sem se despedir de ninguém.

Dez anos depois, eu já era assessor da Federação e propus realizarmos uma festa para comemorar a data, mas pouco antes, os madeireiros, revoltados com o Ibama, fecharam a BR-364 na ponte do rio Jaru. Solidário aos manifestantes, o presidente Miguel de Souza e vários diretores foram para a barreira e a minha festa acabou antes de acontecer.