28 de maio de 2017

Lei do retorno

Por José Carlos Sá

Esta história ouvi sem querer, enquanto aguardava ser atendido na distribuidora:

– Eu estava voltando para casa na moto, quando apareceram três policiais, também de moto, e mandaram eu parar. Como eu já sei dos ‘paranauê’, parei, desliguei a moto, tirei o capacete e já fui encostando no muro com as mãos para cima. O policial que me abordou era baixinho, entroncadinho – acho por causa do colete – e pediu os documentos meus e da moto. Quando abaixei a mão para pegar a carteira no bolso, ele me deu um soco no estômago, que caí no chão!

– Mas por quê? Perguntou o interlocutor.

– Não sei, cara, não falei nada, nem ofendi ninguém. Me levantei já com a mão fechada e dei uma porrada na cara do policial. Acordei na Central de Polícia.

– Eles bateram em você?

– Tô falando, só acordei na Central. O delegado perguntou porque eu bati no polícia. Eu contei que ele me bateu primeiro. O ‘hómi’ me liberou, mas agora tô cabrero…

Tags

Ouvindo de passagem PM-RO Porto Velho Zona Leste 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*