20 de abril de 2017

Atravessado na garganta

Por José Carlos Sá

Longe de estar resolvido e pacificado, o cancelamento do desfile das Escolas de Samba de Porto Velho, que seria realizado no dia 30 de abril, continua sendo um assunto muito debatido nas rodas de sambistas, na imprensa caripuna e nos perfis no Facebook.

Como uma espinha na garganta, o cancelamento do desfile incomoda muita gente (Foto Medicanet Edição Banzeiros)

Como uma espinha na garganta, o cancelamento do desfile incomoda muita gente (Foto Medicanet Edição Banzeiros)

Apesar de ter tido um acerto formal entre a Funcultural e a Federação das Escolas de Samba, muita gente aceitou apenas o cancelamento, mas não às “compensações” oferecidas como consolação: oficinas para capacitação dos carnavalescos. Zekatraka não quer saber de palestra de diretor de harmonia, mas de oficina de Mestre Sala e Porta-Bandeira. Já o Banana Split, puxador da Escola São João Batista, pergunta: “Vão trazer o Neguinho da Beija-Flor para me ensinar a cantar?”

E assim segue o não-carnaval de Porto Velho…