09 de outubro de 2016

Pesar

Por José Carlos Sá

(Foto Gente de Opinião)

(Foto Gente de Opinião)

Ainda em tempo de comentar o meu pesar pelo falecimento do padre Franco Albanesi, ocorrido dia 4 de outubro, na Itália, para onde retornou depois que se aposentou.

O conheci quando padre Franco era responsável pela Paróquia de Nossa Senhora do Amparo e eu trabalhava na assessoria da Fiero e o presidente da instituição Miguel de Souza, residia  no Jardim das Mangueiras e ia à missas na igreja. Um comentário do padre durante um sermão de domingo fez com que Miguel o procurasse depois da missa para conversar e esclarecer, daí ficaram amigos.

No período em que morei no centro da cidade, frequentava as missas na catedral, e entrei no grupo que auxiliava nas cerimônias. Nas quintas feiras tínhamos a reunião para entender as leituras do domingo subsequente e preparar os comentários. O padre Franco nos dava aulas sobre as Escrituras, contextualizando os fatos. O padre Emílio La Noce, que era o vigário da Catedral, complementava com as reflexões daqueles textos nos dias atuais.

Um outro fato que me ligou ao padre Franco foi um gafe minha. Eu era o mestre de cerimônias da “inauguração” do nome da biblioteca da escola do Sesi, que passou a se chamar “Alfredo Maia”. Na hora de chamar o padre Franco Albanesi para abençoar as instalações, falei “Albano Franco”, que era o presidente da CNI na época…

Tags

Alfredo Maia CNI Fiero Gente de Opinião Miguel de Souza Padre Emílio Padre Franco Pesar 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*