15 de novembro de 2015

Se a praça é do povo, porque a Madeira-Mamoré não é nossa?

Por José Carlos Sá

Mais uma vez, remeto os leitores do brog à minha página no Feicebuque.

A pergunta lá e cá é: Qual a razão para que os “donos” da Madeira-Mamoré critiquem a realização de qualquer evento ali?

Castro Alves escreveu: “A praça, a praça é do povo, como o céu é do condor”, em uma estrofe do poema “O povo ao poder”, e Caetano Veloso tropicalizou em “O Frevo Novo” dizendo “A praça Castro Alves é do povo, como o céu é do avião”. Escrevo isso pela observação que fiz das pessoas ontem na II Festa do Madeira, que está sendo realizada na praça da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré.

Todos nós (eu incluído) temos prazer em frequentar aquele lugar, não só pelas questões históricas, mas pela beleza cênica, que tem o rio Madeira como o grande catalisador. Mas é quase proibido realizar qualquer evento naquele lugar. Os “donos” da Madeira-Mamoré querem que a praça seja preservada, mas como preservar sem dar alguma finalidade para lá? A prefeitura é criticada por não conservar, limpar e garantir a segurança do local, mas se “ousa” realizar o festejo do aniversário da cidade, também é criticada.

Foto - CLERIS MUNIZ - Ag. Imagem News (9)

A banda Versalle e o seu público (Foto Cleris Muniz)

II Festa do Madeira 14112015 (40)

Uma estranha composição com lua, iluminação do palco e algodão doce

PicMonkey Collage (640x640)

Elaine Maia brilhando na condução dos trabalhos

Tags

Elaine Maia II Festa do Madeira Porto Velho Praça da Madeira-Mamoré rio Madeira 

Compartilhar

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

*